Sobre Bram Stoker

Abraham “Bram” Stoker foi um escritor irlandês nascido em 1847. Estudou no Trinity College, em Dublin, onde formou-se em matemática em 1870. Começou trabalhando como crítico teatral, no jornal Dublin Eventing Mail, e em 1878 casou-se com Florence Balcombe.

Seu trabalho acabou chamando a atenção do famoso ator vitoriano Sir Henry Irving, e à convite do mesmo, acabou mudando-se para Londres, passando então a trabalhar no teatro Irving Lyceum, onde permaneceu por 27 anos. Apesar de nunca ter visitado o Leste Europeu, Bram Stoker conseguiu muitíssimo bem retratá-lo em sua obra mais famosa, Drácula.

Bram Stoker

Bram Stoker

O escritor irlandês, ao longo de sua vida, produziu diversas obras, incluindo “Os sete dedos da morte”, a antologia “Contos estranhos” e “A toca do Verme Branco”. Sua maior obra, Drácula, entretanto, apesar de ter sido bem recebida pela crítica na época, só foi ganhar o grande e merecido reconhecimento após a morte do autor, em 1912, aos 65 anos.

O livro Drácula, de Bram Stoker

Em uma sexta-feira 13, nada melhor do que escrever a respeito de livros de terror, não é? E temos aqui, sem sombra de dúvidas, a mais famosa história de vampiros da literatura mundial. Em Drácula, Bram Stoker conseguiu criar personagens e ambientação extremamente verossímeis, além de aterrorizantes.

O livro se transformou em um verdadeiro fenômeno, após a morte de seu autor, tendo ajudado enormemente a fomentar o mito do vampiro moderno. Tanto é que tivemos, em 1992, o excelente filme “Drácula de Bram Stoker”, dirigido por ninguém menos que Francis Ford Coppola e tendo em seu elenco um grupo de atores de peso, como por exemplo Winona Ryder, Gary Oldman (no papel do próprio Conde Drácula) e Keanu Reeves.

Béla Lugosi, como Drácula

Béla Lugosi como Drácula

No livro, o vampiro da Transilvânia deseja se transferir, de seu castelo em meio aos Cárpatos, para a Londres vitoriana. A obra como um todo é narrada através de cartas, notícias de jornais da época (tudo acontece em 1890) e diários de vários dos personagens.

Acompanhamos, ao longo do livro, as experiências de personagens como, por exemplo, Jonathan Harker, Lucy Westenra, Mina Murray, Dr. Seward, Arthur Holmwood, e também o famoso Dr. Van Helsing.

A narrativa é soturna ao extremo, e você, ao lê-la, muitas vezes perceberá que ela chega a ser um tanto quanto perturbadora. O vampiro é descrito, muito propriamente, como um ser de origem totalmente sobrenatural, temível, poderoso, invencível.

Ao contrário do que lemos nos livros de Anne Rice (em suas “Crônicas Vampirescas”, por exempl0), em Drácula, de Bram Stoker, o “contágio”, a transferência do vampirismo, se dá através de uma simples mordida.

É assim que Lucy Westenra acaba sendo “contagiada” e se transformando em uma vampira, vampira esta que acaba, então, representando um “trabalho” para o feliz Dr. Van Helsing.

Um dos personagens mais trágicos do livro talvez seja Jonathan Harker, futuro marido de Mina, o qual acaba passando um tempo no velho e assustador castelo do Conde Drácula. Trata-se de um período de tempo durante o qual Jonathan vivencia alguns dos horrores que ajudam a compor todo o imaginário criado por Bram Stoker, o qual se aproveitou muito bem dos velhos mitos vampirescos do folclore balcânico e do Leste Europeu.

Drácula no filme "Drácula, de Bram Stoker"

Drácula, interpretado por Gary Oldman

Há também personagens tragicômicos no livro, como o pobre paciente psiquiátrico Renfield, o qual também já foi hóspede no horripilante castelo de Drácula.

O Conde Drácula se aproveita das trevas, da noite, e controla todas as criaturas noturnas, sendo inclusive capaz de se transformar em morcego, por exemplo. Seus caninos pontiagudos estão sempre prontos a se cravarem nos pescoços dos  incautos, e sua sombra sempre pronta a absorver qualquer luz hesitante.

Trata-se de um livro e de um personagem fascinantes, até mesmo porque, quando em Londres, Drácula assume uma aparência totalmente rejuvenescida. Temos ali um belo homem, capaz de conquistar o coração das mais lindas damas da sociedade.

Ele possui inúmeros bens, lida com empresas imobiliárias, e tem em mente transferir suas principais posses para a capital inglesa. Em sua forma rejuvenescida, Drácula mais se parece com um fino lorde inglês, capaz de passar totalmente desapercebido em meio à multidão, alheia ao monstro que está à solta.

Os horrores que Johathan Harker vive no castelo do velho vampiro, na Transilvânia, transformam-no totalmente, deixando-o amargurado, infeliz e, no entanto, decidido a, de alguma forma, dar cabo da maldita criatura infernal.

O livro exibe um “cast” de personagens verdadeiramente rico, e é capaz de fornecer ao leitor um panorama interessantíssimo da época na qual foi escrito. Além disso, somos “expostos” a uma espécie de representação da eterna luta entre o Bem e o Mal, entre as forças do Céu e do Inferno, representadas por Jonathan, Van Helsing e seus companheiros, e pelo solitário, porém poderoso, Conde Drácula, respectivamente.

Aguarde por tudo aquilo que meio que definiu o “gênero vampiresco”: estacas no coração, crucifixos, caixões, etc. Temos em Drácula uma história de vampiros, digamos, bastante “tradicional”, bem diferente daquilo que encontramos, por exemplo, em Entrevista com o Vampiro, de Anne Rice.

Há também no livro diversas passagens levemente eróticas, todas elas ligadas ao próprio ato de sugar o sangue de suas vítimas, por parte do soturno vampiro personagem principal.

Drácula – Bram Stoker – First Edition: Edição limitada para caçadores de vampiros – Darkside Books

Drácula - Bram Stoker - First Edition: Edição limitada para caçadores de vampiros - Darkside BooksA Darkside Books fez um excelente trabalho nesta “Drácula – Bram Stoker – First Edition: Edição limitada para caçadores de vampiros“. Para começar, temos uma representação quase idêntica à primeira publicação do livro, em 1897.

A capa amarela meio que simulando couro, com letras em vermelho, é belíssima. Ela passa uma impressão de algo antigo, velho, mesmo, empoeirado.

Aliás, a ideia de “copiar” a icônica capa amarela da edição original de 1897 foi fantástica, valendo lembrar também que o livro possui capa dura.

A First Edition: Edição limitada para caçadores de vampiros da Darkside, além disso, conta com os cortes dianteiro, superior e inferior manchados de vermelho, simulando sangue.

Várias de suas páginas, aliás, contam com letras capitulares em vermelho, sem falar, é claro, nas lindíssimas ilustrações que fazem parte da obra (todas em vermelho, vale ressaltar). A fita marcadora de páginas, além disso, também é vermelha, vale lembrar.

A First Edition: Edição limitada para caçadores de vampiros da Darkside foi traduzida por Márcia Heloísa, a qual também é responsável pela introdução, por todas as notas e pelo posfácio.

Para melhorar ainda mais as coisas, é importantíssimo mencionar que esta edição de Drácula pela Darkside conta com uma apresentação exclusiva escrita por Dacre Stoker, descendente do próprio Bram Stoker!

Isto sem falar, obviamente, em alguns textos de apoio relacionados com a versão verdadeira da Transilvânia e aquela representada no livro.

É importante destacar também que o fantástico romance epistolar editado pela Darkside conta com várias resenhas, entrevistas e cartas, conteúdo este todo recebido/enviado pelo próprio Bram Stoker (incluindo uma entrevista que o escritor concedeu ao British Weekly, em 1897), ou a ele relacionado, na época.

Temos aí, inclusive, diversas análises do livro de Stoker, por diversos jornais da época (é tudo muito interessante, acredite – e não se assuste com manchas de sangue aqui e ali, belamente espalhadas pelas páginas).

Meio que completando fantasticamente a obra, temos o conto inédito “O Hóspede de Drácula”, o qual fazia parte do texto do autor mas foi retirado antes da publicação do original. E as ilustrações do artista Samuel Casal, aliás, são lindíssimas.

Drácula - Bram Stoker - First Edition: Edição limitada para caçadores de vampiros - Darkside Books

A First Edition: Edição limitada para caçadores de vampiros também conta com vários “originais” do próprio Bram Stoker, além de imagens e textos diversos relacionados às várias representações do mito do vampiro na cultura pop mundial.

Trata-se de uma leitura e tanto para os fãs de terror em geral, principalmente em uma sexta-feira 13, como esta. Trata-se, também, de um livro que é uma verdadeira obra de arte.

Agora, fique com um trailer do livro: